top of page
  • Foto do escritorRita Lança

Demyurga, o conceito vivido


logo demyurga, onda

Viver é um desafio a nos transformarmos no que somos - em essência- como uma semente específica que dá origem a uma árvore particular.


As várias mudanças com as quais nos confrontamos ao longo da vida - as transições - são oportunidades para transformações profundas.


A vida se serve de vários tipos de linguagens/mediadores para manifestar pistas ao longo do nosso caminho.


Demyurga representa simbolicamente o modo como me sinto chamada a ser-vir na vida.



A expressão que enforma para mim reveste-se na Filosofia e Cosmologia de Platão. Do grego demiourgos, a palavra significa alguém que trabalha para o povo. Perante a inevitável transformação no universo, o demiurgo observa e, qual artesão, ajuda a materializar as formas puras do mundo ininteligível.


É um conceito que me acompanha há quase três décadas, numa jornada de aprofundamento do significado traduzido no concreto da minha vida.


Sou alguém que se sente chamada a transformar o olhar acerca da morte, do luto, trazendo luz a estes processos:

  • Ser artesã de novas formas de olhar e viver a morte na vida.

  • Trazer luz e clareza às paisagens marcadas pelo sofrimento, perda, morte.

  • Ver para além do caos, da confusão- presentes nas mudanças, transições- o nosso potencial de transmutação.

  • Reconhecer o húmus que se gera com a morte.

Doula das Transições é a forma como manifesto o que sou. O que faço está integrado em mim, é uma extensão do que sou.


Comments


bottom of page