top of page
  • Foto do escritorRita Lança

Comer de Morrer: Contributos para uma Sociologia do Cuidado em Fim de Vida II

Este artigo dá continuidade ao anterior, por onde sugiro iniciarem a leitura.


Deambulações entre o corpo e a cozinha


No Alentejo, onde cresci, a arquitetura das casas colectivizava o espaço onde simultaneamente

se cozinhava e se comia, numa mescla alheia aos valores de privacidade e individualidade. Em

Sakaivo, um lugar remoto numa montanha no Madagáscar, fui recebida pelo chefe da aldeia

na sua cozinha, o centro da casa, com janelas abertas para o mundo, soslaiadas aqui e acolá

pela estridência curiosa das crianças. Aqui, como lá, sinto que a morte está mais próxima.


Esta imiscuidade comporta, na minha análise, um outro simbolismo interessante – a

irmandade com os cheiros e produtos da preparação e a sujidade associada ao fumo que

enegrece a cozinha. Ambos os exemplos contrastam com os ambientes asséticos em que

amiúde passámos a habitar e que se manifestam também no modo como tendemos a olhar os

períodos de maior fragilidade, que incluam um corpo débil, ””odolorento””, e que deixámos de

percecionar como natural.  


Assim como as cozinhas vivas da serra do Montemuro, vestidas de negro, igualmente o nosso

corpo é um ecossistema, que pede ser olhado e cuidado de acordo com os seus ciclos e

acompanhá-lo neste compasso é uma forma de respeito, profundo, tal como os homens no

Alentejo ainda tiram a boina num cortejo fúnebre, como sinal de reverência.


Estas dimensões sensoriais, olfativas, tácteis, foram intimamente condicionadas pela

reorganização dos processos produtivos. Para favorecer a industrialização, foram-se adulterando e simplificando processos complexos de transformação, como é o caso da fermentação, que tem vindo a ser substituída por processos como seja a pasteurização. Recordo o modo artesanal como o vizinho Zé Gordo e a Fecidade faziam os queijos em casa e observo taciturna mas resistente a estas mudanças.


Dominámos o fogo, poderemos impedir a morte do corpo?


A figura mitológica grega de Prometeu, o titã que ousou roubar o fogo aos deuses para o dar

aos mortais, transporta, na minha ótica, dimensões interessantes para refletirmos as nossas

práticas de cuidado alimentar em fim de vida. Metaforicamente a narrativa épica a ele

veiculada coloca no centro o fogo/a vida, sedimenta-se na escolha de enfrentar com coragem

os medos/as suas circunstâncias e a sua ação é informada/preparada. Curiosamente, é filho de

Jápeto, o deus-titã associado ao tempo de vida e à mortalidade.


“Para além da Taprobana” dos progressos técnicos, para dominar o fogo o homem teve que

ultrapassar o medo que o fogo lhe gerava, como gera a outras espécies, que dele tendem a

proteger-se. Inversamente, o medo da morte, ofusca e retarda a aceitação da impossibilidade

de dominar a transformação do corpo humano, que converge irreversivelmente para a perda

de funções protetoras, para o declínio, a cessação da vida e um processo de decomposição. É

uma fatualidade que a humanidade não tem solução para a morte.


Comer de Morrer 


Quantas das nossas opções culinárias no cuidado em fim de vida são escolhas informadas?


Para ilustrar este artigo elegi o pictórico em Arcimboldo, pintor italiano do século XVI. Na sua

obra interpenetram-se elementos culturais e naturais e uso L’ Ortolano como uma alegoria,

para metaforizar o exagero alimentar tendencialmente praticado em fim de vida, por

desconhecimento dos sinais, sintomas e necessidades dessa fase.


Na base da nossa filosofia do cuidar, a dádiva por meio da comida significa, para além da

dimensão nutricional inerente à alimentação, o dar-se na relação. Quando te preparo uma

sopa estou a oferecer-te aquilo que sou, através desse gesto de cuidado.  


Neste sentido, como poderemos equilibrar a nossa necessidade de cuidar, os valores culturais

que veiculamos e as necessidades específicas em fim de vida?


Partir de um entendimento do processo de morte, permite adequar os cuidados às

necessidades, fisiologia e metabolismo atual, contribuindo para reduzir a ansiedade que assola

os cuidadores e direcionar escolhas informadas, que favoreçam um maior conforto e

qualidade de vida.


Tal como descrito no artigo Expresso (para ler todo o conteúdo deste artigo é necessário ser

assinante Expresso), e como detalhei no podcast, em final de vida o foco do cuidado deve

centrar-se em acompanhar o corpo naquele que é o  processo natural da morte e que

manifesta uma sabedoria inerente.


Nesta fase, assiste-se a uma diminuição das necessidades nutricionais e de hidratação. O

metabolismo vai desacelerar, os órgãos reduzem gradualmente as suas funções, terão cada

vez mais dificuldade em processar a comida e água ingeridas que se podem acumular, sob

diversas formas, gerando toxicidade. Decorrente da diminuição do nível de metabolização, é

comum os líquidos se acumularem sob a forma de edema. Com a falência renal e o risco de os

líquidos irem para os pulmões, resulta claro que é mais confortável morrer levemente

desidratado, é fisiológico.


Neste sentido, são de extrema relevância os cuidados à boca, que tendem a aliviar a sensação

de boca seca, mais do que aumentar a ingestão de água. Estes cuidados passam por pequenas

medidas como humedecer amiúde os lábios e manter uma boa hidratação dos mesmos, prover

a uma boa higienização da boca, procurando um ambiente mais alcalino, que minimize a

proliferação de microrganismos.


Em final de vida, verificam-se várias alterações ao nível do paladar, dificuldades de

deglutição/disfagia, requerendo por vezes a escolha de alimentos mais pastosos ou a adição de

espessante aos líquidos.


Um dos primados importantes a nível alimentar é que menos é mais, sendo preferível

alimentar-se de pequenas quantidades de alimentos, adaptando a consistência dos mesmos,

reeducando o paladar e experimentando criativamente novos aromas, temperos.


Nesta linha, a premissa de que alimentar, sobretudo em quantidade, é sinal de vida pode ser

catalisadora de desconforto porque se demonstra desadequada ao que o corpo necessita

efetivamente, demonstrando este maior dificuldade em processar.


Quadro L’ Ortolano, de Arcimboldo
L’ Ortolano, de Arcimboldo

Desbloquear a nossa imaginação de cuidado alimentar


De acordo com a Filosofia de Cuidados Paliativos, “quando não podemos acrescentar dias à

vida, podemos acrescentar vida aos dias.” (Cicely Saundres, fundadora do Movimento Hospice).


O nosso foco está na qualidade de vida da pessoa, ajustando às necessidades da pessoa, àquela

fase, e isto não configura desinvestimento. Toda e qualquer opção é tomada em função do

controlo de sintomas e dos benefícios ao nível do conforto. Significa que não há um protocolo

prévio, as medidas devem ser adaptadas a cada pessoa, em cada fase particular.


Na sociedade portuguesa, uma das formas de expressarmos cuidado, dádiva, amor é através

da comida. Tantas vezes oiço as famílias expressarem o medo de que se a pessoa não comer

morrerá mais rápido. A pessoa está a morrer devido à evolução do seu quadro clínico, não

porque deixou de comer.


É importante reaprendermos a escutar o corpo e a cuidarmos mais outras dimensões ligadas à

comida, como sejam os rituais. Comer é altamente performativo e pode continuar a ser, assim

nos deixemos guiar pela criatividade de flexibilizar os horários das refeições, a sua composição,

os ritmos e modos em que decorrem. Porque o ingrediente fundamental que não pode faltar é

a nossa presença, amorosa, atenta, serena.


É relevante estimular a experiência sensorial, é essa que nos faz viajar nas nossas paisagens

interiores mas também nos permite alargá-las.  A cinematografia representa exemplarmente o

imbricamento entre a comida, a memória e a alegria de viver. Recordo os filmes grego Politiki

Kouzina de Tassos Boulmetis, o americano Ratatouille de Brad Bird ou o indiano The

Hundred-Foot Journey de Lasse Hallström.


A biografia do nosso corpo e da nossa alma é profundamente alimentar. E a comida é uma das

chaves que nos permite aceder ao vasto manancial das nossas paisagens interiores, lugares de

conexão com a história vivida, recordadas/avivadas pelo coração no presente. Como afirmou

Viktor Frankl, “ter sido é uma forma de ser e das mais efetivas”.


Por outro lado, ainda Viktor Frankl, remete para a plasticidade do ser humano na busca pelo

sentido da vida, observando que é possível manter o sentido da vida em todas as formas de

existência, continuando a explorar novas possibilidades e configurações.


Lembro com carinho uma conversa que tive com meu primo André, à época um jovem médico

em formação e com tanta sabedoria ancestral. Eu acompanhava o meu pai em fim de vida e

debatia-me com imensas tensões, entre as indicações médicas, nutricionais e a comida como

fonte de prazer, uma das maiores para o meu pai. E o André serenou-me o coração,

devolvendo-me o que era realmente importante naquela fase – adequar as quantidades ao

metabolismo atual e avivar os sabores que nos fazem viver através deles, esses que nos

deixam com um “brilhozinho nos olhos”, como canta o poeta Sérgio Godinho.


Dieta, de Afonso Cruz


Não, João

disse a mãe dos meus vizinhos,

não podemos ter um pirilampo.

Eu nem sei o que é que eles comem…

se dão luz,

só podem comer lâmpadas,

disse o Manel.

 

O alumiar destas palavras é dedicado ao Feciano (como todos lhe chamamos)… um bom

amigo, dos melhores que o meu pai teve e que partilhámos no curso da vida. Chegou o tempo

da sua transição…Recordo os comeres da matança, os torresmos, o milagre das maçanitas que

me regalava e esse abraço de barriga que é mundo, palmeado e saboreado.        

(16 de Novembro de 2023)

Comments


bottom of page